Golpistas clonam celular do Prefeito de Viana

VIANA: Mais uma vez, políticos voltam a ser alvos do golpe de clonagem de celular. Dessa vez a vítima foi o prefeito de Viana, Magrado Aroucha Barros.

O WhatsApp foi a ferramenta utilizada pelo golpista, de forma que o golpista passa-se pelo Prefeito Magrado Barros e começa a extorquir os contatos de sua lista como se fosse ele, pedindo que se faça depósitos bancários em contas correntes apresentadas pelo próprio golpista.

De forma sutil o golpista usa a mesma foto e número do político e se utilizando de diálogo próximo e pessoal acaba convencendo as pessoas de que ele é o próprio prefeito.

O Prefeito de Viana, Magrado Barros já emitiu alerta para que ninguém realize depósitos ou transferências bancárias em seu nome. Até mesmo porque esta não é uma prática realizada por ele, de solicitar depósitos em seu nome.

Veja abaixo alguns prints do golpista pedindo dinheiro utilizando o telefone do prefeito:

Golpes comum no ambiente político:

Especialista comenta sobre as alternativas para evitar o problema e o que fazer em caso de clonagem do telefone. Segundo o analista sênior de segurança da Kaspersky Lab, Fabio Assolini, ataques deste tipo têm se tornado comum desde o ano passado e visava, principalmente, empresários. O especialista acompanhou casos parecidos com os que afetaram os políticos e alerta que o primeiro sinal é que o número do telefone clonado deixa de funcionar instantaneamente.

“A gente falava clonagem, mas não é tecnicamente isso. O número da pessoa é habilitado em um outro chip. A partir desse momento, a pessoa abre o WhatsApp e automaticamente todas as conversas e contatos carregarão no aparelho. O golpista começa a interagir com esses contatos como se fosse o dono da linha”, explica Assolini.

Para conseguir habilitar roubar o número de alguém, o golpista tem duas estratégias. A primeira, ele conta com a ajuda de um funcionário corrupto da operadora do cliente que faz o trabalho para habilitar o número do alvo em um novo chip. Na segunda possibilidade, o golpista falsifica os documentos pessoais da vítima e se passa como o dono da linha e solicita a habilitação do número em um novo cartão. “Todo político é pessoa pública e os dados pessoais estão expostos na internet. Não é difícil conseguir o nome, filiação e data de nascimento de uma pessoa”, afirma Assolini.

A clonagem de telefones também pode atingir anônimos. O especialista aponta que esse problema é alimentado pelos diversos casos de vazamento de dados na internet.

O prefeito disse estar tomando todas as medidas jurídicas cabíveis no referido caso de golpe e pede para que ninguém efetue qualquer valor em nome dele.

O Vianense Notícias com  informações do MAIOBÃOTV

Deixe uma resposta