Fórum defende os diques para salvar Baixada da salinização

Entidade, que desenvolve ações em defesa da região da Baixada Maranhense, anuncia que este ano fará uma campanha pela obra dos diques
De O Estado do Maranhão
O Fórum em Defesa da Baixada Maranhense desenvolverá este ano uma campanha pela construção de diques, para salvar a região da salinização. A entidade comemorou seu primeiro aniversário, no fim de semana, na sede da Associação Atlética Banco do Brasil (AABB), em São Luís, homenageando personalidades que atuam ou já atuaram em prol do desenvolvimento da região.
A entidade busca estabelecer um debate com os atores públicos e privados visando encontrar soluções que promovam o desenvolvimento sustentável da região, sobretudo as demandas relacionadas às áreas de educação, saúde, assistência social, cultura, meio ambiente, ecoturismo, segurança alimentar, combate à pobreza, transporte e mobilidade, agricultura familiar, arranjos produtivos locais e habitação popular.
“Como a construção dos diques da Baixada será nossa luta de bandeira em 2016, decidimos homenagear personalidades que, de uma forma ou de outra, já contribuíram com a elaboração e a conquista desse sonho dos diques, que vão salvar nossa região da salinização”, justificou o presidente do Fórum, Flávio Braga.
O deputado Aluísio Mendes (PTN), homenageado por já ter viabilizado importantes ações e projetos para a Baixada Maranhense, destacou que, como relator, está atuando para aprovar na Câmara Federal o projeto que expande a atuação da Companhia de Desenvolvimento do Vale do São Francisco (Codevasf) para todo o Maranhão.
O parlamentar ressaltou que o órgão tem atuação específica e mais comprometida com o desenvolvimento das regiões, já tendo realizado grande trabalho nos municípios de sua abrangência.
“Esse projeto dos diques da Baixada é a redenção daquela região. Tenho me empenhado pela execução desse projeto, por meio da Codevasf, e nós precisamos aprovar urgentemente os recursos para que esse sonho se torne realidade. O senador Roberto Rocha tem sido um grande parceiro nesse processo”, enfatizou o deputado.
Salinização
A salinização do solo é consequência do excessivo acúmulo de sais minerais, geralmente provenientes das águas pluviais, oceânicas ou aquelas utilizadas pela irrigação na agricultura, podendo agravar processos de infertilidade dos solos e até de desertificação.
O fenômeno da salinização pode ocorrer, notadamente, nas regiões de clima árido e semiárido, mas são as ações humanas que ocasionam ou intensificam esse processo, principalmente pela adoção de métodos incorretos na agricultura. Para evitá-lo, é preciso realizar o correto manejo dos solos, empregando práticas de irrigação que não sejam prejudiciais ao meio de plantio.
O problema da salinização do solo, assim como casos de desertificação e erosão, é uma questão estrutural grave, pois agride a natureza e diminui a oferta de espaços agricultáveis.
Obra
Os Diques da Baixada Maranhense são uma obra de engenharia que permitirá a contenção de água doce nos campos naturais durante a estação chuvosa, retardando o seu escoamento para o mar sem alterar as cotas máximas naturais de inundação.
Calcula-se que essa água poderá chegar a beneficiar uma área de aproximadamente 1,5 milhão de hectares: além de servir ao consumo humano da população do entorno, ampliará o período de pesca artesanal, matará a sede das criações animais, poderá ser usada em agricultura familiar irrigada, pastagens irrigadas para pecuária leiteira, circulação de canoas, e ainda abrir a possibilidade do uso do dique para tráfego leve (bicicleta, motocicletas, carroças).
A área inundada (lago formado) está estimada em 618 mil hectares. Os efeitos ambientais esperados com a obra são a proteção das áreas mais baixas contra a entrada de água salgada pelos talvegues naturais (igarapés), protegendo assim os ecossistemas e os mananciais de água doce da região.
Além disso, os diques vão passar a armazenar a água da chuva que provém de uma precipitação média de 2 mil milímetros de janeiro a junho, e que no restante do ano é praticamente zero.

Deixe uma resposta