Fenômeno ‘Cumulus Congestus’ é registrado em Viana

Viana: Fenômeno registrado no céu da cidade foi esclarecido pelo seguidor Gilvan Junior de O Vianense Notícias na rede social Facebook, o Cúmulus Congestus, pesquisamos sobre o fenômeno e segue abaixo para o conhecimento de todos.

CUMULUS CONGESTUS (congestionado) você tem de conhecer esta nuvem e saber do seu potencial cumulativo de energia, do potencial destruidor de suas convectivas e correntes descendentes, dos perigos ao vôo e como circuna vegala sem contar com as turbulências violentas e a chuva, o granizo e neve.

Bem vamos em frente… Cumulus congestus são nuvens muito perigosas com desenvolvimento vertical gerado por convectivas térmicas,onde sua base está geralmente em torno de 4000ft e o topo alcançando de 35000 a 50000 ft facilmente e em alguns casos chegando a 80000ft como os gigantes equatoriais.


Esta nuvem promove um fenômeno chamado de TROVOADAS que ocorre no interior da nuvem bem como entre varias nuvens CUMULUS. O CUMULUS forma-se exclusivamente por correntes convectivas que dependendo do grau de instabilidade do ar a sua evolução pode ser muito rápida. Quando esta nuvem atinge a altitude de isotermia de 0°C suas convectivas são muito fortes para elevar enormes massas de água com velocidades muitas vezes superiores a 54kt/h (100km/h) a uma altitude de cerca 18000/20000ft sendo esta a fase inicial de seu desenvolvimento. Nesta altitude as gotículas já associadas à gotas maiores iniciam o processo de congelamento, coexistindo nestas condições água, neve, e vapor.




Mais informações:

Congestus: são Cumulus com grande desenvolvimento vertical, cujos topos têm bordas protuberantes, indicando fortes ascensões (mas ainda sem exibir franjas e fibras). Elas indicam uma camada úmida mais espessa do que no caso das Cumulus humilis. Sua existência indica camadas profundas de instabilidade e favorecimento por escoamento ciclônico em altitude; pode ter importantes implicações no desenvolvimento de Cumulonimbus.


São características de regiões instáveis do ambiente que estão passando por convecção. Elas são muitas vezes caracterizadas por contornos nítidos e grande desenvolvimento vertical. Como as Cumulus congestus são produzidas por fortes correntes de ar ascendente, elas são normalmente mais altas do que largas, e os topos delas podem chegar a 6 km ou mais (nos trópicos).

Geralmente as Cumulus congestus são formadas pelo desenvolvimento de Cumulus mediocris, mas elas também possam ser formadas a partir de Altocumulus castellanus ou Stratocumulus castellanus. As Cumulus congestus podem evoluir para Cumulonimbus calvus em condições de instabilidade suficiente. Essa transformação pode ser vista pela presença de um topo com aspecto liso, fibroso ou estriado. Este tipo de nuvem produz precipitação, muitas vezes em abundância.
Para uma Cumulus mediocris evoluir para uma Cumulus congestus, é necessário que o ar se torne mais instável e úmido e a convecção aumente (por aquecimento adicional da superfície, por elevação orográfica ou pela chegada de uma frente fria), e daí podem crescer verticalmente ao longo de um dia transformando-se em grandes nuvens isoladas formando montes, cúpulas ou torres com o topo com o aspecto de uma couve-flor (a Cumulus congestus). Se uma Cumulus congestus continuar a crescer verticalmente, transformará-se em uma Cumulonimbus.

As Cumulus congestus são levadas pelo vento, e depois desaparecem mais ou menos rapidamente, às vezes produzindo virga (quando as gotículas de água não conseguem mais se sustentar e caem em forma de vírgula, evaporando antes de atingir o solo). Elas são Cumulus no último estágio de desenvolvimento antes da Cumulonimbus. Abaixo, fotos de Cumulus congestus. 

Deixe uma resposta